ATENÇÃO!

É permitida a reprodução de todo o conteúdo deste Blog Informativo Oficial da ABGLT, desde que citada a fonte. Evite contratempos. Aja corretamente.

18 de mar de 2013

Ex-presidente da ABGLT volta a ser ameaçado de morte

O ex-presidente da ABGLT, Toni Reis, voltou a ser ameaçado de morte. [Foto: Arquivo SECOM-ABGLT]


TERRY MARCOS DOURADO
Secretário Nacional de Comunicação da ABGLT

O ex-presidente, e atual secretário de Educação, da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), continua recebendo ameaças de morte seguidas de calúnias e difamações através das redes  sociais, também por e-mails e telefonemas. Toni juntou cópias das ameaças e registrou queixa na delegacia do 1º Distrito Policial de Curitiba (PR) e na Delegacia de Cibercrimes também na capital paranaense.

Assim como fez recentemente quando começaram as ameaças, o ex-presidente da ABGLT também encaminhou sua denúncia à Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. "Nada disso vai nos intimidar na luta por um Brasil sem quaisquer tipos de discriminação. Essa é apenas mais uma batalha que temos que enfrentar. A história está do nosso lado", comentou Toni Reis.

Cópia do B.O. registrado na polícia de Curitiba (PR) pelo ex-presidente da ABGLT, Toni Reis.
Quanto à  manipulação orquestrada pelo deputado federal Jair Bolsonaro, uma distorção  caluniosa e difamatória com a intenção de fazer a sociedade brasileira acreditar que o então presidente da ABGLT, Toni Reis, teria agredito uma pessoa  idosa dentro da Câmara Federal, Reis esclarece que tudo não passa de uma manipulação maldosa de Bolsonaro. "O que  houve   foi um desrespeitoso empurra-empurra  quando o  deputado Bolsonaro  veio  para  nosso  lado  com  aquele  recado "de  padaria sobre  Roscas" que  não   condiz  com o decoro parlamentar, e eu apenas me defendi com palavras da provocação agressiva que, naquele momento, recebi", esclareceu Toni Reis.

Toni Reis aguarda por urgentes providências da parte da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, gerenciada pela ministra Maria do Rosário.